Os profissionais da rede municipal de educação receberam uma boa notícia nesta quinta-feira, 20, em Foz do Iguaçu. O pacote de avanços beneficiando a categoria foi sancionado pelo prefeito Chico Brasileiro (PSD), durante reunião com o presidente da Câmara Municipal, Ney Patrício (PSD), e o secretário de Administração, Nilton Bobato.

No início da tarde, os projetos, que concedem o abono salarial, e a ampliação dos vencimentos básicos dos professores da Rede Municipal de Educação, foram aprovados, por unanimidade, em dois turnos, no Legislativo Iguaçuense.

A sessão extraordinária foi acompanhada por representantes do Sindicato dos Professores e Profissionais da Rede Municipal de Educação (Sinprefi).

Logo após a aprovação, o presidente da Câmara, levou ambos projetos para sanção do prefeito. “É uma conquista para todos profissionais da rede municipal de educação construída em conjunto do prefeito Chico Brasileiro, Sinprefi, professores da Comissão de Negociação e a Câmara Municipal, incluindo vereadores e servidores, que não mediram esforços para que os projetos tramitassem em tempo recorde na Casa de Leis, beneficiando imediatamente a categoria já nesta folha salarial”, afirmou Ney Patrício.

Abono salarial

O benefício de R$ 1.818,30 contempla ao menos 2.617 trabalhadores lotados nas escolas municipais, entidades filantrópicas de educação especial, na sede administrativa da Secretaria Municipal da Educação e ainda os profissionais do setor no desempenho de mandato classista.

Além de auxiliar financeiramente aos referidos profissionais, o abono, proposto pelo Poder Executivo por meio de projeto de lei, é uma maneira de valorizar o trabalho de excelência desenvolvido no âmbito da rede pública municipal de ensino e fomentar a economia local. O montante corresponde a R$ 4,7 milhões.

Completivo salarial

Outro benefício concedido para os professores será a elevação do Piso Salarial. A partir de agora, os vencimentos básicos passarão para R$ 2 mil com vínculos com carga horária de 20h e R$ 4 mil para vínculos com carga horária de 40 horas. De acordo com a matéria, tal elevação no piso mínimo representa um acréscimo de aproximadamente 30%.

Luta dos professores

A vereadora Anice Gazzaoui (PL), relatora do projeto na Comissão de Legislação, Justiça e Redação falou da luta dos professores. “Em 2013, eu já acompanhava a luta do Sinprefi. Hoje, nós vivemos um momento muito importante, um momento onde tanto o Poder Legislativo quanto o Executivo estão reconhecendo mais do que nunca a classe dos professores”.

“Queria parabenizar a categoria por toda luta, por tudo que vocês vêm desenvolvendo, por tudo que vocês vêm buscando na figura do Sinprefi e também individualmente. Essa vitória, essa conquista é de vocês”, enalteceu Yasmin Hachem (MDB), vice-presidente da Comissão de Educação, Cultura, Esporte, Saúde, Assistência Social e Defesa do Cidadão.

 

Imprimir

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.