SINPREFI E SISMUFI PARTICIPAM DE REUNIÃO ON-LINE COM DIRIGENTES DA FOZPREV EM BUSCA DE INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE JUNÇÃO DOS FUNDOS
Diretores do SINPREFI e do SISMUFI participaram de uma reunião on-line com os dirigentes da FozPrev, na última quinta-feira (03), em que foram apresentadas informações detalhadas do funcionamento da autarquia especial municipal, criada em 2006 com a finalidade de gerir o Regime Próprio de Previdência do Município de Foz do Iguaçu.
A necessidade surgiu depois de o prefeito Chico Brasileiro ter apresentado proposta de junção de dois fundos de previdência do município e implantação a Reforma da Previdência no regime próprio de Foz do Iguaçu. Houve questionamentos a respeito do histórico de omissões ou decisões equivocadas por parte da gestão municipal em relação, principalmente, ao Fundo Financeiro que tem déficit de cerca de R$ 4,5 bilhões.
A diretora-superintendente da FozPrev, Áurea Cecília da Fonseca respondeu aos questionamentos dos dirigentes sindicais, explicando como são constituídos os conselhos deliberativo e consultivo da FozPrev e a função de cada um. Também detalhou a composição da diretoria da autarquia e o histórico de composição dos fundos.
“Observando esta caminhada vocês avaliam que foi feito tudo o que era possível para evitar esse momento de calamidade que estamos vivendo?”, perguntou a diretora de políticas sindicais do SINPREFI, Viviane Jara Benitez.
“No que diz respeito à direção da FozPrev e aos Conselhos, sim, fizemos tudo o que estava ao nosso alcance”, respondeu a diretora superintendente da autarquia e complementou: “Nada do que a superintendência da FozPrev faz, faz sozinha,” afirmou Áurea Fonseca. “Tudo o que assino, assino em conjunto com o prefeito ou com um dos outros membros da diretoria,” explicou.
Os debates foram intensos entre os líderes sindicais, os representantes dos conselhos da FozPrev e os membros da diretoria da autarquia em busca de uma explicação para o problema que se estabelece agora e de providências que ainda podem ser tomadas para que o trabalhador não seja prejudicado mais uma vez.
Imprimir

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.